Simplesmente Amor

Eu gosto desses filmes que contêm várias histórias, sejam elas interligadas ou não. Acho que é mais desafiante para o diretor prender a atenção com várias pequenas histórias do que com um único grande enredo. E acho que contar várias pequenas histórias é mais simples e despretensioso também.
(Para ver a resenha de outro filme com várias histórias que eu curti, clique aqui, se tiver mais de 18 anos).
E um dos meus filmes favoritos, que contém algumas das minhas cenas favoritas é Simplesmente Amor (Love Actually). Do mesmo diretor de Quatro Casamentos e um Funeral (outro filme que amo), fala sobre…. adivinha…. amor!
As histórias passam-se em Londres, e todas se relacionam de alguma forma. São histórias simples e lindas e só. Nenhuma pirotecnia, nenhum efeito especial, nenhuma reviravolta chocante. Só histórias de amor. Amor romântico, claro. Mas também o amor entre pais e filhos, entre irmãos, o primeiro amor, o amor impossível, o amor rotineiro.
Numa delas, um homem ajuda o enteado a se aproximar de seu primeiro amor, a menina mais legal do colégio. Isso, a custa de muitas aulas de bateria e muito incentivo a coragem do menino. Esta história teve a cena de aeroporto mais legal que eu já vi.
Em outra, uma moça recém casada vai na casa do melhor amigo do marido para pegar a fita com a filmagem do casamento. O amigo filmou a cerimônia e a festa, mas se nega a entregá-la. A moça vai lá, convencida de que o amigo simplesmente se ressente da intromissão dela na amizade dos dois e por isso a está boicotando. Depois de muita insistência, ela acaba roubando a fita e começa a assisti-la. Daí ela percebe que só ela aparece na fita. O amigo era apaixonado por ela desde sempre e acabou dando uma bandeira imensa… Climão. Alguns dias depois, o amigo vai na casa dos dois, dá um jeito de falar só com ela e faz a declaração de amor mais bonita, comovente, triste e inusitada possível.
Na minha favorita, um escritor sofre uma desilusão amorosa e se refugia numa casa no sul da França, para fugir da dor e para tentar finalizar o romance que está escrevendo. Chegando lá, a caseira já havia contratado uma moça que iria lá todos os dias, para cuidar da casa e cozinhar. Só que ela era portuguesa e não falava uma palavra de inglês. Já que o escritor não falava uma palavra de português, passaram ambos alguns dias calados. Mas, estavam tão isolados naquela casa que, meio sem perceber, começaram a conversar entre si, cada um em sua língua. Os diálogos mostravam o quanto eles viam as coisas de maneiras diferentes, mas também o quanto eles tinham em comum. Por exemplo:
– These muffins are delicious. Fortunately, I never gain weight…
– Tu deverias comer menos bolinhos. Já estás a ficar gordinho.
Este episódio tem também o diálogo mais bonito do filme. Todos os dias, ele a levava de carro até a estação de trem. Estavam no carro, ele dirigindo e ele diz:
– This is the best moment of my day: when I am driving, with you by my side.
E ela responde:
– Este é o pior momento do meu dia: quando vou embora e o deixo sozinho.
Uón… não é lindo?
Adoro esse filme, de quando em quando eu assisto de novo, só pra conferir…
Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s